Atendimento por WhatsApp

O Alzheimer é uma doença que afeta milhões de pessoas em todo o mundo, sendo uma das mais desafiadoras em termos de saúde mental e cognitiva. Então, é muito comum a dúvida e o interesse em saber se o Alzheimer é hereditário.

Por isso, a Doença de Alzheimer (DA) é um dos maiores desafios do século 21. Representa a forma mais comum de demência, respondendo por 60% a 80% dos casos em pessoas com mais de 65 anos, e afeta mais de 50 milhões de indivíduos em todo o mundo, dos quais 2 milhões no Brasil.

Devido ao envelhecimento populacional, estima-se um aumento importante da prevalência do quadro nas próximas décadas. Neste artigo, você vai descobrir se Alzheimer é hereditário e outros pontos.

O que é o Alzheimer?

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa progressiva que afeta principalmente a memória, o pensamento e o comportamento de uma pessoa. Embora seja mais comum em idosos, pode começar a se desenvolver décadas antes dos primeiros sintomas se manifestarem.

À medida que a doença progride, os sintomas podem se tornar mais graves, afetando significativamente a qualidade de vida do paciente.

O Alzheimer é hereditário?

Embora a genética desempenhe um papel importante no desenvolvimento do Alzheimer, a doença não é exclusivamente hereditária. Ter um histórico familiar de Alzheimer aumenta o risco de desenvolvê-lo, mas não garante que uma pessoa vá necessariamente manifestar a doença.

Quais são os principais sintomas do Alzheimer?

A princípio, os sintomas iniciais do Alzheimer podem incluir perda de memória recente, dificuldade em encontrar palavras, desorientação no tempo e no espaço, mudanças de humor e dificuldade em realizar tarefas simples.

Como o histórico familiar influencia o risco de desenvolver Alzheimer?

Ter um histórico familiar de Alzheimer aumenta o risco de desenvolver a doença. Estudos sugerem que certas variantes genéticas podem estar associadas a um maior risco de Alzheimer, mas fatores ambientais e estilo de vida também desempenham um papel significativo.

Por exemplo: pessoas ativas mental e fisicamente, que costumam realizar muitas atividades de raciocínio lógico, têm menos chances de desenvolver a doença — ou, pelo menos, podem postergá-la.

O que causa a doença?

A causa exata do Alzheimer ainda não é totalmente compreendida, mas acredita-se que seja resultado de uma combinação de fatores genéticos e de estilo de vida, como já citado. Além disso, o acúmulo de placas de certas proteínas no cérebro é uma característica comum encontrada em pessoas com essa doença.

Como prevenir o surgimento de Alzheimer

Embora não haja uma maneira garantida de prevenir o Alzheimer, adotar um estilo de vida saudável pode ajudar a reduzir o risco. Isso inclui manter uma dieta equilibrada, fazer exercícios regularmente, manter a mente ativa com atividades cognitivas e controlar fatores de risco, como pressão alta, diabetes e obesidade.

Atualmente, as pessoas estão cada vez mais delegando atividades mentais para a tecnologia, ou mesmo tendo muitas distrações por dispositivos móveis. Entretanto, é importante garantir que você consiga ter um tempo dedicado para aprender outras línguas, jogar xadrez, e se relacionar com pessoas diferentes, por exemplo.

Dessa maneira, será menos provável o desenvolvimento de uma doença como o Alzheimer, já que você estará “ativando” e “movimentando” diferentes partes do seu cérebro.

Em outras palavras, lembre-se sempre que o nosso corpo busca a eficiência: então tudo o que não for usado, poderá atrofiar — desde músculos até neurônios.

Diagnóstico e opções de tratamento

O diagnóstico do Alzheimer geralmente envolve uma avaliação médica abrangente, incluindo histórico médico, exames físicos, testes neuropsicológicos e exames de imagem cerebral. Entretanto, não há um teste único para diagnosticar o Alzheimer, e o processo de diagnóstico pode ser complexo.

Atualmente, essa é uma doença que não tem cura. Mas existem opções de tratamento disponíveis para ajudar a gerenciar os sintomas e retardar a progressão da doença, como:

  • medicamentos para controlar os sintomas;
  • terapias não farmacológicas, como terapia ocupacional e cognitiva;
  • apoio emocional para pacientes e cuidadores;

Tratamentos diferenciados para pessoas com histórico familiar

Para pessoas com histórico familiar de Alzheimer, é importante abordar o tratamento de forma holística, levando em consideração os fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida.

Além das opções de tratamento convencionais, pode ser necessário um monitoramento mais rigoroso e um plano de cuidados personalizado para gerenciar os riscos associados ao histórico familiar para garantir a proteção em vida.

Existe seguro de vida para Alzheimer?

O Alzheimer é considerado uma doença grave e, por isso, diversos seguros têm cobertura para ele, como é o caso de alguns seguros Prudential. Ao optar por esse tipo de cobertura, os clientes e suas famílias podem viver com mais tranquilidade.

O seguro de pessoas com cobertura para Alzheimer oferece o pagamento da indenização em determinadas circunstâncias relacionadas ao diagnóstico da doença. Essa indenização poderá ser utilizada, por exemplo, para cobrir despesas com cuidados médicos e de enfermagem necessários devido ao avanço da doença.

Tire outras dúvidas sobre o Alzheimer

1) O que o Alzheimer afeta?
O Alzheimer afeta principalmente a função cognitiva, incluindo memória, pensamento e comportamento.

2) Como fica a pessoa que tem Alzheimer?
Uma pessoa com Alzheimer pode experimentar confusão, esquecimento, dificuldade de comunicação e mudanças de humor.

3) Como são as crises de Alzheimer?
As crises de Alzheimer não são tão comuns quanto em outras condições médicas. No entanto, podem ocorrer episódios de desorientação, agitação e ansiedade.

4) Quem tem tendência a ter Alzheimer?
Pessoas com histórico familiar de Alzheimer têm maior probabilidade de desenvolver a doença. Além disso, fatores como idade avançada, presença de certas variantes genéticas e estilo de vida podem influenciar. Manter a mente ativa e adotar um estilo de vida saudável podem ajudar a reduzir esse risco.

 

É possível conviver com o Alzheimer de forma segura

 

 

Como vimos, o Alzheimer não apenas afeta a mente e a memória, mas também tem impacto significativo na vida de pacientes e suas famílias. Por isso, é importante contar com um seguro que ofereça cobertura para essa doença.

Para explorar melhor essas opções e garantir a proteção adequada para você e seus entes queridos, não hesite em conversar com um especialista sobre o Prudential Vida & Saúde, o primeiro seguro de vida do mercado brasileiro com cobertura vitalícia para doenças graves. Após o pagamento da última parcela, o segurado poderá utilizar até 50% do capital segurado para uma indenização em vida. Um produto inovador que poderá atender às suas principais necessidades.

Artigos recomendados